Portugal é um país bonito

Não creio que seja o país mais bonito do mundo, mas a sua simplicidade faz-nos parecer que sim. Portugal é um país simples, mas não simplista, é um país para se viver e menos para se ser visto.

Esperem, é um país que gosta de ser visto, mas que dá nas vistas justamente por não ser muito exuberante.
Daí que sejam muitas as pessoas que nos visitam e que queiram viver connosco. Não há melhor elogio para um país do que este, alguém que não nos conhece de lado algum, que vive longe, que tem família, amigos, trabalho com contrato daqueles fixos que dão subsídio de Natal e férias e 13ª mês e, mesmo assim, mesmo assim atentem, decide que vai fazer as malas, meter tudo em caixas, dar as chaves ao senhorio e mudar-se para cá, para viver connosco, para viver em Portugal.
Portugal tem um estilo e nada tem a ver com o que veste. Se estou num aeroporto entretenho-me muitas vezes a tentar adivinhar quem é ou não português e não se adivinha difícil. Há um jeito de ser português, há uma sinceridade na forma como nos apresentamos, como andamos, como ajeitamos o cabelo, como pedimos qualquer coisa.
“Desculpe, não se importa de me dar isto?”; “desculpe, pode dar-me esta informação?”; “desculpe, pode sair da minha frente sua besta?”; Portugal passa a vida a pedir desculpa, como se no fundo pedisse desculpa por existir.
Portugal existe. Eu posso estar no outro lado do mundo, que sei reconhecer um Português a uma distância considerável, pode ir até uns 500 metros — uma vez consegui reconhecer um português a 620 metros — mas ia ao telefone, confesso. Assim não vale.

Portugal tem uma cara. E eu gosto dela. A cara de Portugal é a nossa, é a minha, é a tua. Quase todos nós parecemos um pouco com Portugal. Às vezes é o nariz, é a boca, são os olhos ou quando não é nenhuma delas, é o feitio. Queria escrever agora “Portugal tem um feitio lixado”, ficava tão bem, era tão populista, dava tanta força a este texto, mas convenhamos, seria mentira.
Portugal não tem um feitio lixado e isso faz com que sejamos vistos pelos outros como um país não-problemático.

No fundo, somos o país mais porreiro da europa e os porreiristas europeus, os porreiristas asiáticos, os porreiristas africanos, os porreiristas do mundo inteiro já o perceberam. E, por isso, querem beber copos connosco e, por isso, querem viver para cá.

Portugal é um país simples sim, mas é essa simplicidade, é essa sinceridade, é esse jeito que faz com que os outros países se queiram mudar e sentar-se na nossa mesa, uma tarde inteira se for preciso, possivelmente, a vida toda.