Ser rico hoje é ser olhado com desconfiança e não ser amado pelo povo. O povo não gosta de ricos e ao mínimo sinal exterior de riqueza é certinho que dizem que o rico anda metido em droga ou tráfico de armas.

Ser rico já foi uma coisa boa, já, num tempo em que bastava ter posses para que todos tratassem os ricos por senhor doutor. Nessa altura, quando as universidades não abriam ao domingo, para se ter licenciatura bastava ser rico.

De resto, quer queiramos quer não, houve sempre uma implícita pressão por parte das nossas mães para que fossemos abastados desde tenra idade. Quem não ouviu vezes sem conta a nossa mãe a dizer-nos “ai que rico filho!”.

Eu lembro-me bem da minha progenitora me dizer isto e eu, encolhendo os ombros, lá lhe ia dizendo “mas mãezinha, eu não tenho um único tostão”. Daí que ser pobre é muito mais fácil do que ser rico, pois somos desde logo amados e toda a gente, no Natal, nos dedica programas na televisão.

Ser rico é a garantia de que iremos ter problemas; ser pobre é um problema que nos afasta de todos os outros. Daí que a melhor forma de ser rico seja justamente fingir ser pobrezinho, o que desde logo explica as declarações de vencimento de 500 euros de grande parte dos grandes empresários.

Eu, se fosse rico — e era tão bom que fosse -, faria justamente o mesmo. A mim não me apanham, só os ricos são vítimas de carjacking, só os ricos vêem as suas mansões assaltadas, só os ricos ficam sem as suas jóias preciosas e a família raptada.

E se vão para a televisão queixar-se é certinho que, do outro lado, alguém dirá “Bem feito!”. Como se fossem culpados de ser ricos. Os pobrezinhos nisto não pensam. Mas deviam.

Porque ser pobrezinho tem também as suas vantagens: logo à partida, os arrumadores são menos chatos, a bandidagem não assalta tanto as suas mansões, não faz caso das suas jóias preciosas, não ambiciona subtrair a sua viatura, não rapta o seu único irmão pedindo de resgate milhares de moedas de ouro.

E ainda se queixam? Ser pobrezinho pode não ser assim tão mau. A única desvantagem é que um rico pode sempre disfarçar que é pobrezinho, mas um pobrezinho dificilmente poderá fingir que é rico.